gestao-da-produtividade

Impacto da renovação de frota na gestão da produtividade da operação

Postado em: Dicas Energéticas Gestão de Frotas

Texto: Danilo Ramos de OliveiraKey Account Manager

Você conseguiria dizer quais são os fatores que impactam na gestão da produtividade da sua operação? Quando se realiza um trabalho focado em resultados, antes de mais nada, é necessário ter clareza sobre o que é a produção e o que a produtividade. Apesar de serem conceitos distintos, os dois são essenciais para mensurar a eficácia do trabalho. 

Enquanto a produção refere-se a uma medida de resultados, ou seja, um dado sobre o que foi produzido em determinada empresa por um período, a produtividade é a capacidade de se produzir mais utilizando cada vez menos recursos e em menos tempo. E é sobre a gestão produtividade que falarei neste artigo.

Um dos processos que afetam na gestão da produtividade da frota é a renovação dos veículos utilizados na operação. A razão disso é que veículos mais novos tendem a estar em melhores condições de rodagem e exigir manutenção com menor frequência e complexidade.

E, apesar de muitos gestores afirmarem que encaram a renovação de frota como uma despesa necessária para uma boa gestão, 67% das empresas selecionam os veículos de acordo com o menor preço oferecido. O que pode não ser a melhor opção, quando o objetivo é aumentar a produtividade da frota.

Despesa ou investimento

Renovação de frota deve ser sempre definido como investimento pela empresa, onde ela pode aplicar os recursos para alcançar a máxima produtividade com qualidade, baixo custo e melhores retornos financeiros. Para isto, é importante analisar os riscos e oportunidades internas e externas para realizar as melhores e mais rentáveis escolhas.

E como fazer isto? 

Benchmarking – Avaliar os parceiros e concorrentes do mercado, qual o tipo de veículo que está sendo utilizado pelo segmento, verificar se existe algum item específico no veículo que não permite alteração, avaliar com as montadoras as melhores oportunidades de negócios ou lançamentos futuros.

Mapeamento Logístico – Avaliar internamente quais serão as vias e regiões que estes veículos estarão com frequência, o que será transportado neste veículo e qual a frequência de utilização em áreas remotas.

Escopo Correto – Definir em parceria com as áreas que utilizam os veículos dentro da companhia a possibilidade de uma frota mista, onde pode atender dois ou mais setores da minha organização e definir modelo de veículos e equipamentos que seja possível a alteração de layout.

Por que falamos sobre isto?

Como exemplo, podemos considerar uma frota de 1000 veículos leves alugados com o custo médio de R$ 2.000,00 por mês para cada veículo, isto representa um custo diário de R$ 66,67 ao dia.

Se a média for de dois veículos parados durante um período de 30 dias, temos o custo desnecessário de dois aluguéis ao mês, isto representa uma perda financeira de R$ 48.000,00 ao ano, e avaliando um contrato de 36 meses, seria uma perda de R$ 144.000,00 ao término do contrato.

Como resolver esta situação?

Realizando a gestão da produtividade da sua frota, porque sabemos que a gestão não acaba quando o veículo é liberado para a operação, mas se inicia quando o veículo está aos cuidados da operação. E existem perguntas que não podem ficar sem respostas: 

  • Onde está o meu veículo? 
  • Como está o meu veículo? 
  • O que ele está fazendo neste momento?

Sim, seu veículo. A gestão da produtividade da sua frota depende totalmente de você.

Resultados da gestão da produtividade

Com as respostas das perguntas anteriores é possível obter informações como o acompanhamento da utilização dos veículos, medição do custo de km rodado, gestão das manutenções preventivas e corretivas, indicadores de multas de trânsito, mapeamento da porcentagem de utilização diária dos veículos e avaliação da utilização dos veículos por setores da empresa.

Afinal, os dados são os maiores aliados do gestor de frotas na tomada de decisão.