crise econômica

Crise econômica pós-coronavírus: o futuro da logística e transporte

Postado em: Dicas Gestão de Frotas

A chegada do novo Coronavírus em 2020, ou COVID-19, trouxe consigo muitas surpresas e mudanças – boas e ruins. Algumas consequências já estão sendo sofridas por toda a sociedade no Brasil e no mundo.

Com a chegada da vacina, voltaremos ao antes conhecido como ‘normal’? Quais as consequências deixadas para o setor de logística e transporte rodoviário? Como enfrentar esse período de crise econômica e como evitar que situações futuras semelhantes abalem sua operação?

Primeiro, vamos analisar o que já vivenciamos em 2020:

  • o FMI – Fundo Monetário Internacional estima o encolhimento de 4,4% da economia global no último ano;
  • taxa recorde de desemprego no Brasil no 3º trimestre de 2020: 14,6%, equivalente a mais de 14 milhões de desempregados;
  • retração do PIB brasileiro, que chegou a -3,4% no 3º trimestre de 2020, segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Na logística e transporte não foi diferente. No início da pandemia, o setor de eletrônicos sofreu queda em sua produção devido às dificuldades no recebimento de mercadoria vinda da China: Samsung, Motorola e outras chinesas interromperam a fabricação de produtos no Brasil, pela inviabilidade de enviar componentes internacionais. 

Dentre os modais de transporte, os amis afetados com certeza foram o de carga aérea e o transporte de passageiros.

Como fica o cenário para a logística e transporte rodoviário no Brasil?

Uma pesquisa aplicada em 2020 pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) apontou uma queda expressiva na compra em lojas físicas, com destaque para supermercados (53% de redução) e vestuário (46% de redução). Com o aumento das compras online, o setor de logística tem seu papel ainda mais intensificado.

Mas não pense que esta é uma métrica válida apenas para o período de pandemia. Outro estudo identificou que estes novos hábitos no ambiente digital vieram para ficar.

Em pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Transporte – CNT, aponta que as transportadoras, apesar dos acontecimentos recentes, tem boas perspectivas para o futuro: 34,9% delas acreditam que o impacto causado pela pandemia não lhes afetará por período superior a 8 meses. Além disso, 36,5% delas estimam período de um ano para recuperação de níveis de demanda e faturamento.

Além disso, o estudo também apontou que a pandemia trouxe mudanças para cerca de 53% das transportadoras entrevistadas e algumas dessas mudanças vieram para ficar, como a adoção do teletrabalho e a redução de custos fixos e variáveis.

Crise econômica no setor de logística e transporte: 3 dicas para enfrentar o período de recessão

Em momentos de crise econômica, é preciso ter em mente que sua operação além de desempenhar um fator econômico importante, também é responsável por parte do fator social: a manutenção dos empregos. 

Afinal, quanto mais pessoas empregadas no país, maior o poder de consumo, levando ao giro da economia e caminhando para a superação da recessão. Por isso, as ações que sugerimos aqui priorizam outros cortes que não o de pessoal. 

1. Considere um fundo de emergência na hora do planejamento orçamentário

O ano de 2020 provou a necessidade de estarmos preparados financeiramente para qualquer tipo de imprevisto. Mantiveram-se no mercado aquelas empresas que conseguiram se garantir no período de recessão intenso.

Por isso, ter um orçamento enxuto e que considere fundos de emergência é essencial para evitar um colapso em momentos de crise.

Onde cortar gastos na área de logística e transporte?

Geralmente, em períodos de crise a primeira coisa que vem à cabeça é o corte de gastos.

Mas atenção: é importante separar o que é gasto e o que é investimento.

Analise as contas da sua empresa de forma crítica, com o objetivo de identificar quais custos representam gastos excessivos e poderiam ser otimizados para gerar mais eficiência?

Repasse, primeiramente, os investimentos planejados para a área no período e se pergunte: o que é essencial para melhorar minha operação e o que poderá otimizar meus custos? Esses investimentos devem estar no seu orçamento.

É preciso ter em mente que não se trata de cortar gastos por cortar. Aquilo que protegerá sua operação de problemas futuros é um investimento que vale a pena lutar para manter.

2. Defina metas em três cenários

Sua força de vendas poderá precisar ser mais intensa em períodos de recessão. Para estar preparado é importante, portanto, estabelecer suas metas em três níveis: o cenário pessimista, com lucro mínimo, o cenário ideal, com margem de lucro desejada, e, por fim, o cenário otimista, onde a margem supera as expectativas.

3. Esteja aberto a negociações alternativas com seus clientes

Em períodos de crise econômica, é necessário repensar a maneira de negociar com os clientes. É preciso ter em mente que a mesma recessão enfrentada pela sua operação, está sendo enfrentada pelo seu cliente. Por isso é importante ser um pouco mais flexível neste momento.

Também existe a possibilidade da sua operação de transporte precisar sacrificar prazos ou outros fatores para o benefício da negociação. 

Previna-se contra o imprevisível: como sofrer menos impacto em momentos de crise econômica

As crises econômicas vêm em vão e é preciso estar minimamente preparado para quando elas atingirem sua operação. Por isso, é preciso pensar nos tempos difíceis enquanto se vive os dias bons. Apenas assim você conseguirá se preparar para enfrentá-los.

É importante, portanto, estar sempre olhando para o conceito de eficiência: alcançar o melhor resultado com o mínimo de esforço. Ou, no caso das finanças, com o menor investimento. 

Mas como fazer isso?

É preciso que a sua operação esteja sempre em processo de otimização. Ou seja, diariamente, o gestor se depara com problemas a serem resolvidos na sua frota. Evite resoluções do tipo “apaga incêndio”, ou seja, com efeitos apenas de curto prazo.

É importante enfrentar cada um desses obstáculos/problemas como oportunidades de melhoria. Afinal, só se tem otimização a partir da identificação do problema e da elaboração de um plano de ação.

Por exemplo: quanto você economizaria anualmente se gastasse com menos manutenções no seu veículo? Esse economia pode ser o montante necessário para a sobrevivência em uma crise econômica inesperada.

Mas como otimizar uma operação sem conseguir identificar os problemas dela?

Existem muitas perdas ocultas envolvidas nas operações de logística e transporte. Por exemplo, um motorista que abusa do acelerador e provoca desgaste do motor, aumentando a necessidade de manutenções constantes. Como você atuará sobre este problema sem o acesso à informação?

Por isso se faz tão importante o investimento em tecnologia nas operações de logística e transporte. Além de economia financeira, promovem mais segurança para a sua frota com a prevenção de acidentes de trânsito.

Em breve, lançaremos os resultados da nossas pesquisa “Tendências para a Gestão de Frotas em 2021”. Quer receber os resultados em primeira mão? Inscreva-se em nossa newsletter! Preencha o formulário abaixo.

Atualizado em 02 de fevereiro de 2021 por Caroline Ferroni.